Em Timon,profissionais de Saúde recebem treinamento para prevenção e controle do Sarampo

06/09/2019

O país está em alerta, após perder o certificado de eliminação do sarampo, concedido pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), devido ao registro de mais de 10 mil casos da doença no ano passado. A Secretaria Municipal de Saúde de Timon (SEMS), atenta à situação, promoveu na manhã desta quinta-feira (05), um treinamento com profissionais para "Resposta Rápida ao Sarampo".

Na capacitação, foram abordados temas como: quadro clínico do sarampo, fluxo de atendimento diante de caso suspeito, atualização do esquema vacinal, situação epidemiológica do País, Estado e Município. A ação foi conduzida pela Vigilância em Saúde, Epidemiológica e Coordenação de Imunização e Atenção Básica de Timon.

"Estamos procurando adotar medidas que possam manter nossa cidade livre da doença, como treinamentos de técnicos, preparação para resposta rápida, alinhamento sobre cobertura vacinal, monitoramento e garantia de insumos. E convocamos também a população para procurar uma unidade básica de saúde e se vacinar", disse o secretário municipal de Saúde, Marcio Sá.

Para se vacinar, a pessoa precisa se dirigir a uma Unidade Básica de Saúde (UBS) portando documento de identificação com foto e a carteira do SUS. Pessoas com esquema vacinal completo não precisam ser revacinadas.

PREVENÇÃO

A principal forma de proteção contra o sarampo é a vacina. É importante que todos (crianças e adultos) possam estar imunizados. A vacina contra o sarampo é administrada para várias faixas etárias, seguindo as indicações do Calendário Nacional de Vacinação vigente no SUS.

O esquema vacinal contra o sarampo para crianças é de uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e outra aos 15 meses de idade (a tetra viral). Pessoas até os 29 anos, o Ministério da Saúde preconiza receber duas doses, da tríplice ou tetra viral. Dos 30 aos 49 anos: dose única, da tríplice ou tetra viral.

Sarampo

O sarampo é uma doença viral, infecciosa aguda, potencialmente grave e extremamente contagiosa. A transmissão ocorre por contato de pessoa a pessoa através das secreções nasofaríngeas, através do ato de tossir, falar, espirrar e respirar.

A infecção se caracteriza, inicialmente, pelo aparecimento de diversas manifestações clínicas, como febre acima de 38,5°C, manchas ou bolhas avermelhadas na pele, tosse, coriza e conjuntivite. Ao apresentar este quadro sintomático, a pessoa deve imediatamente procurar assistência médica profissional em unidades hospitalares e ambulatoriais.