Mulher diz que foi maltratada,tratada com deboche e humilhada dentro da SEMDES pelo coordenador do cadastro único"bolsa família", ela chegou a chorar, ouça o áudio

14/08/2017

Bastante triste, uma mulher de nome, Marinete Pinheiro dos Santos, moradora do bairro Cinturão Verde, procurou o Galo para denunciar que foi muito mal tratada no cadastro único, que fica na SEMDES de Timon,ela chegou a chorar se sentindo muito humilhada.

De acordo com ela o autor do derreispeito e humilhações para com ela foi o coordenador do cadastro único, identificado pelo nome de,Gilvalto Sucupira,

A relata durante uma entrevista concedida ao Galo, que procurou o cadastro único após receber uma carta do governo federal informando que o filho da mesma estava faltando a escola, algo que não é verídico informou ela, que diz ter se deslocado para escola que o filho dela estudo e lá recebeu um documento no qual informa que o mesmo comparece com frequência a escola. de posse da carta e do documento emitido pela escola, ela se dirigiu a SEMDES em busca de solução do problema e com medo de ter o beneficio bloqueado.

Na primeira vez Givalto prometeu solucionar o problema, mas não solucionou, passado alguns dias ela recebeu novamente a carta do governo federal, novamente ela se dirigiu para a SEMDES, a parti deste momento ela passou a ser atendida mal pelo coordenador que chegou a perguntar em tom de deboche o tamanho da calça do garoto e mandou a beneficiaria ir para casa que seria resolvido

Ainda de acordo com ela o problema continuou e ela voltou pela terceira vez para o setor de cadastro único para falar com o coordenador que passou a tratar mal ela com palavras grosseiras, chegando ao ponto de dizer que ela não entrava mais no local, ela disse que se sentiu muito humilhada e passou a chorar sendo atendida por uma outra servidora do local

"Essa a terceira vez que eu estou vindo aqui resolver um problema muito simples, que ao mesmo tempo se tornou muito difícil aos olhos do coordenador do bolsa família, ele me tratou muito mal foi super agressivo, não sei acho que ele já amanheceu de mal humor não sei o que aconteceu na casa dele", disse a mulher bastante triste

Ela chegou a ser ameçada de ser proibida de entrar no local e foi mandada sair da sala. Batante nervosa, durante a entrevista ela chegou a pronunciar o nome do coordenador de forma errada.

Ela chegou a ser ameaçada de ser proibida de entrar no local e foi mandada sair da sala. Bastante nervosa, durante a entrevista ela chegou a pronunciar o nome do coordenador de forma errada.

Procurada pelo Galo a secretária da SEMDES, professora Roario Leal, falou sobre o caso, bastante chateada, disse que jamais admiti este tipo de comportamento

Ouça a entrevista abaixo

Ogalo procurou o coordenador Gilvalto Sucupira ,por várias vezes mas não o encontrou para dar sua versão.