Em Coroatá moradores voltaram a cozinhar no fogareiro, o gás de cozinha lá está custando 80 reais

12/10/2017

A reclamação é geral na cidade de Coroatá, o botijão de gás de cozinha que era R$ 64,00 há dois meses passou para R$ 70, depois R$ 75 e agora está sendo vendido à R$ 80,00.

José Alves de Sousa - lavrador "Pra quem é empregado até que é bom, agora pra quem não é que...DESEMPREGADO TÁ SOFRENDO? Ave Maria", reclamou o lavrador José Alves de SOusa

Numa residência do bairro Cajueiro nós encontramos o fogão, também o botijão de R$ 80,00, mas em razão desse alto valor a dona da casa também se utiliza da alternativa que está aí - o velho fogareiro com carvão vegetal.

Dona Francisca de Sousa Cartro, mulher da lavoura e a dona da casa, explicou que só usa o fogão a gás para fazer café, já no fogareiro...

"Eu cozinho o arroz, cozinho o feijão...POR QUE A SENHORA VEM FAZENDO ISSO? É porque o gás tá muito caro, a gente vive de roça, aí não tem como a gente comprar as coisas muito caro, não pode comprar"

Como um novo aumento já está previsto a Câmara Municipal convocou diversas autoridades para discutir o assunto numa audiência pública e a pergunta era uma só.

"Como é que pode você querer que a população que nem tem quase o que comer todo dia em casa vá tirar R$ 80,00 pra comprar um gás?"

Até um juiz de Direito da cidade, Dr. Francisco Ferreira Lima, compareceu, interessado na resposta.

"A gente como juiz de Direito a gente não pode se furtar à nenhuma discussão, nós estamos aqui para ouvir das pessoas, ouvir dos vereadores, ouvir também dos consumidores, o que tá acontecendo? Por que Coroatá o gás é R$ 80? Isso precisa ser discutido"

Uma representante do PROCON MA disse que já havia feito uma fiscalização nas 4 revendedoras de gás de Coroatá e nada havia constatado de anormal na prática dos preços, a declaração revoltou populares na galeria.

"Isso é uma vergonha" gritou da galeria Almir Sousa Marques

Os empresários do ramo não compareceram, só o advogado que os representa. Maycon Veiga disse que o botijão custa R$ 80,00 por causa dos impostos e demais encargos trabalhistas e previdenciários que os revendedores precisam enfrentar mensalmente e deixou claro que para haver um preço menor só existe uma possibilidade.

"O Poder público enquanto órgão instituidor destas taxas também poderá rever e havendo uma diminuição dessa cobrança consequentemente através de uma forma reflexa e direta haverá diminuição desses preços", assegurou

Fonte: Blog do Acelio